Monopólio do Google prejudica concorrência no Brasil, diz CEO do Buscapé

Em entrevista ao jornal O Globo, o novo presidente do Buscapé Company na América Latina, Rodrigo Borer, criticou a forma como o Google utiliza os anúncios de outras empresas dentro dos serviços de pesquisa da companhia. Para Borer, a gigante das buscas compromete a competição entre sites de e-commerce porque destaca apenas as páginas incluídas ou que direcionem para o Google Shopping, plataforma de compras online com sistema semelhante a sites como Mercado Livre e o próprio Buscapé. “Nós não temos problema em ter o Google como competidor, só que ele está beneficiando um produto dele e causando uma distorção na livre concorrência”, declarou o executivo. Ele destacou que o Google detém o monopólio das buscas na internet no Brasil –  95% dos brasileiros utilizam a ferramenta -, e que justamente por esse motivo não deveria promover seus produtos em cima dos outros. Borer ainda explica que, quando o Google anunciou o lançamento do Shopping por aqui, o Buscapé (e outras empresas do setor) começaram a monitorar os resultados de busca no Google para diferentes produtos. Feito isso, eles constataram que os itens vendidos pelo Shopping sempre apareciam na frente dos serviços de outras corporações. Isso motivou o Buscapé a procurar o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 2011, que abriu investigação contra o Google só em outubro do ano passado. “Nesse meio tempo, o Google passou a ser investigado pelo Federal Trade Comission (FTC), nos Estados Unidos, exatamente pela mesma coisa [priorizar os próprios produtos nas buscas feitas pelos usuários], e na Europa também. Só que nos EUA eles não têm 95% das buscas; lá, o Bing (da Microsoft) é...